Categoria "Diversão"

Projeto compara a forma como as pessoas agem no dia a dia

Em 31.08.2015   Arquivado em Comportamento, Design, Diversão, Ilustração

Você levanta logo que toca o despertador ou tem várias sonecas programadas? Você põe o ketchup em cima da batata frita ou faz um montinho ao lado?

Com humor, o tumblr 2 kinds of people (2 tipos de pessoas) mostra como cada tipo de pessoa lida com coisas do cotidiano de forma diferente. Com certeza você vai se identificar com algumas das ilustrações minimalistas!

Conta pra mim, em quais opções você se encaixa:

tumblr1 tumblr2 tumblr3 tumblr4 tumblr5

No Google eu só aperto enter, só faço montinho de ketchup se alguém da galera não gostar de comer, posiciono o papel higiênico na primeira opção, JAMAIS como chocolate sem respeitar a divisão dos tabletes e sou a louca dos 5 minutinhos quando acordo.

Encontre todas as comparações em 2kindsofpeople.

TAG: Coisas Favoritas dos Anos 90

Em 29.08.2015   Arquivado em Diversão, TAG

anosnoventa

Vi essa tag lá no blog Meninices da Vida, me diverti muito com as respostas da Camila e resolvi trazê-la para o post de hoje, porque vivi a primeira parte da minha infância nessa década e fui muito feliz. A tag foi respondida em vídeo, mas como não tenho canal (timidez define) vou listar perguntas e respostas a seguir.

Filme da Disney favorito?

Mogli, o menino lobo. A Camila foi a primeira pessoa que conheci com essa mesma resposta!

Artista ou banda favorita?

Um disco chamado Hora do Recreio com várias músicas infantis interpretadas por crianças (não sei o nome delas).

Phill Collins, porque cantava a trilha sonora do Tarzan, meu segundo filme preferido da época empatado com Rei Leão.

Doce favorito?

Bomba de chocolate e aquelas balas que se compram numa espécie de buffet de doces, sabem? Hoje em dia custa muito caro, tipo 100g por dez reais, mas na época a mãe conseguira encher um pacotão por metade desse valor.

Jogo favorito? (jogo de tabuleiro, videogame…)

Não tinha videogame em casa, só jogava na casa dos vizinhos, então não tinha nenhum que pudesse classificar como preferido. O jogo de tabuleiro que mais gostava era ludo. Mas o que mais curtia mesmo eram os jogos de rua, como Alerta e Mata Soldado.

Surpresa preferida do McDonalds?

Raramente ia no McDonalds e não fazia questão de pedir o Lanche Feliz. Se for para citar o brinquedo preferido de alguma marca, falaria dos ursinhos da Parmalat.

Livro Favorito?

Disney – Clássicos Favoritos de todos os tempos. Um livrão pesado que tenho até hoje.

Loja de roupa favorita?

Não faço ideia. No final dos anos 90 eu ainda tinha 7 anos, então não classificava minhas roupas por marca nem escolhia muito o que comprar.

Programa de Tv da Nick favorito?

Eu não conhecia Nick na época. Meus programas favoritos eram os desenhos do Cartoon Network: Laboratório de Dexter, Flinstones, A Vaca e o Frango, Meninas Super Poderosas, etc.

O que você assistia quando chegava em casa da escola?

Cartoon, Tv Cultura ou Animal Planet com meu pai.

Eike divertido relembrar, né?! Espero por suas respostas nos comentários. Quero saber o que marcou nos anos 90.

Livros para colorir que vão além do jardim

Em 25.08.2015   Arquivado em Arte, Diversão

Um tempo depois de ver páginas coloridas do “Jardim Secreto” registradas em fotos no Instagram e no Facebook, ganhei meu primeiro livro de colorir para adultos em um aniversário de namoro e fiquei super feliz! Sempre gostei de pintar e, por incrível que pareça, o período de faculdade foi o que menos reservei tempo para isso. Pois bem: renovei o estoque de lápis, segui o @jardimsecretoinspire para ter umas ideias e perdi o medo de “gastar” as páginas (vocês também têm essa aflição de consumir as coisas muito rápido?).

Empolgada com a ideia de pintar, descobri a coleção “Just add color”, criada por vários ilustradores, que oferece temas diferentes para colorir: tem Folk Art, padrões geométricos, circo, Carnaval, Dia dos Mortos e outros. Os desenhos têm um traço bem simples e cada livro oferece 30 páginas para você se expressar e praticar a criatividade.

Just Add Color 3 Just Add Color 2 Just Add Color 1

Ainda não procurei em lojas físicas, mas na internet é possível comprar no Amazon e na Livraria Cultura, pelo que pesquisei.

Alguém já conhecia a coleção?

Imagens de Omiyage Blogs

As novas Barbies e a beleza das diferenças

Em 20.08.2015   Arquivado em Beleza, Diversão

hgfdhfgd

Minha brincadeira preferida quando era pequena (leia-se até os 13 anos) era brincar de Barbie. Eu ganhava aquelas mais simples da Mattel e montava a casinha, fazia roupas a partir de retalhos e falava sozinha por horas brincando no meu quarto quando não estava com as amiguinhas. Todas as minhas bonecas tinham nomes: Estrela, Tereza, Aline, Fabí, Sofia, e por aí vai. Nem as Susis e o Ken escapavam da minha criatividade: eram a Julia, a Monique e o Ben.

Mesmo preferindo as bonecas, minha infância não se resumiu aos brinquedos “de menina”. Brincava também de escolinha com alunos de “etnias” diferentes – de Max Steel do primo aos bichinhos de pelúcia, polícia e ladrão, alerta, mata-soldado, cidade de Gelokos e Gato Mia.

Ter essa liberdade de dividir meu tempo entre as bonecas e outras brincadeiras não criou em mim a vontade de ter o corpo da Barbie ou de me vestir como ela. Para falar a verdade, sequer gostava de roupa toda cor-de-rosa. Pelo contrário, eu pegava as “meninas” que estavam mais falhadinhas, apagava a tinta do rosto e redesenhava os olhos e bocas com espessuras e cores diferentes. Também cortava os cabelos e criava “personas”. A Fabí era excêntrica, fazia papel de cigana ou de uma tia extrovertida. A Tereza se dividia entre madrasta de conto de fadas e mãe rígida da vida real. A Aline, que tinha cabelos escuros e um look todo azul, era a estilosa da turma. Minha intenção era que elas não parecessem um grupo de clones, mas sim uma família ou um círculo social com pessoas distintas. Minha mãe, que sempre incentivou minha criatividade, me permitia essas alterações pois sabia que eu cuidava bem dos brinquedos e minha intenção não era estragar.

Todo esse momento nostalgia foi para comentar que, depois de mais de cinquenta anos investindo em um padrão X de bonecas, a Mattel anunciou para 2015 uma mudança significativa no desenvolvimento de seus produtos: a nova linha Barbie Fashionistas traz 8 tons de pele, 18 cores de olhos, 23 cabelos, modelos com curvas e tamanhos alterados. Além disso, uma nova articulação no tornozelo permitirá que as Barbies usem sapatilhas, sandálias e tênis sem salto alto, o que antes só bonecas como a minha Estrela, que morava na praia, podiam fazer.

É claro que a discussão sobre padrões de beleza e respeito às diferenças vai muito além da mudança de posicionamento de uma marca. Deve, na verdade, começar em casa com o cultivo da autoestima das meninas. De qualquer forma fiquei feliz em saber que agora as crianças poderão ter bonecas mais parecidas com elas, e que a nova linha da Mattel poderá inspirar outras empresas a buscarem a representatividade em seus brinquedos. “Thaysa, mas é só um brinquedo!”. Eu sei gente, mas a brincadeira vai além da diversão, ajuda as crianças a se desenvolverem para o convívio em sociedade. Então por que não mostrar que nem toda boneca é magra e peituda e nem todo boneco de ação precisa de músculos saltados?

Que as crianças misturem Max Steel com tartarugas ninjas, dinossauros menores que os cachorros de pelúcia, Pollys e bonequinhas em formato de bebês e vejam essas diferenças de uma forma positiva. Meu eu com 7 anos se empolgaria muito com esses modelos novos da Mattel, e eu com a cabeça de hoje e querendo ser mãe um dia vejo um dedinho de esperança nessa “bagunça” linda.