Resenha: “Feliz por nada”, de Martha Medeiros

Em 06.05.2016   Arquivado em Leitura

Para estrear a categoria de resenhas do blog, quero dizer que a de hoje, como podem notar, não é pra quem lê somente literaturas densas ou livros técnicos. Ler o que a Martha Medeiros escreve, para mim, é ter um momento levinho e se sentir em uma mesa de café ouvindo uma amiga contar as histórias comuns da vida.

Agora sim, vamos ao livro.

felizpornada1

Tem gente que encara a bad ouvindo playlists tristes. Outras pessoas fazem a linha Bridget Jones e afogam as lágrimas em um pote de sorvete. Há ainda aquele tipo que precisa falar, falar, falar e falar mais um pouco sobre a bad até que o motivo da tristeza pareça pequeno diante de um grande desabafo com uma pessoa querida. Seja lá qual for o método, todo mundo tem um jeito de curtir a fossa e superá-la, não é mesmo?!

giphy

Em 2012, depois de curtir uma pequena bad, minha saída para me distrair foi ocupar meus pensamentos com leituras despretensiosas. E lá estava “Feliz por nada” em uma prateleira da livraria, com sua capa genérica, que soou bem convidativa na época.

O livro reúne várias crônicas da escritora em pouco mais de duzentas páginas, e como disse no início do texto, é fácil de ler porque carrega uma escrita que é a cara de um bate-papo sobre o cotidiano. Como não sou uma exímia conhecedora de Martha, não sei se todos os livros dela seguem a mesma linha, mas os que li, têm esse quê informal que particularmente gosto muito.

felizpornada2

Não tive um texto para chamar de favorito, mas a crônica “Feliz por nada”, que dá nome ao livro, me chamou muito a atenção, afinal estava me sentindo estranhamente otimista e tranquila depois de chorar minhas pitangas pelo que acontecera nas últimas semanas.

“Marthinha, mas por que eu estou feliz se até pouco tempo me questionava tanto?”

“Porque felicidade é calma. Consciência. É ter talento para aturar o inevitável, é tirar algum proveito do imprevisto, é ficar debochadamente assombrado consigo próprio: como é que eu me meti nessa? Como é que foi acontecer comigo? Pois é, são os efeitos colaterais de se estar vivo.”

1-zpjbRtQ8M4FXi04TLpmD1w

E foi assim que uma escritora que nem me conhece, ofereceu bons conselhos, devaneios e até conversinhas sem propósito para me distrair e, ao mesmo tempo, me ajudar a focar. Me jogou uns verdes para eu, depois de refletir, colher os maduros e internalizar muitas de suas sacadas.

“Feliz por nada” é um livro com frases bem superficiais ou mensagens profundas, depende do momento, dos gostos e da personalidade de quem o lê. E eu ainda me pego, de vez em quando, lendo uma ou duas crônicas para me sentir mais feliz, não porque elas me lembram algum motivo, mas porque relembram que parar de analisar tanto e ser feliz por nada talvez seja a autêntica forma de felicidade.

Adoráveis links [2] – arte, design e gastronomia

Em 23.08.2015   Arquivado em Adoráveis links, Arte, Design, Gastronomia, Leitura

Passeio tanto pela internet que minha pasta de favoritos fica imensa. Por isso resolvi compartilhar aqui alguns links legais que encontro, procurando separá-los por temas ou juntando de tudo um pouco.

Formada em Design, aventureira na cozinha e já com fome, minha escolha de hoje foi falar de arte com comida. Por que, né?! Como não amar?

O chef Benoit Castel e o artista gráfico francês Tyrsa se juntaram para fazer uma sobremesa tipográfica maravilhosa, daquelas que a gente tem dó de comer. A matéria é do site Follow the colours.
links2
A culinária japonesa leva a criatividade muuuito a sério. No projeto Miniature Space, uma cozinha em miniatura faz refeições minúsculas com ingredientes de verdade.
liks4
Comida saudável + design de embalagem: foi assim que a Bolthouse desenvolveu uma estratégia para atrair as crianças com o mesmo apelo publicitário de junk foods.
links1
Pra finalizar, uma recomendação de livro para quem se interessa por criatividade e inovação: “Criatividade brasileira – Gastronomia, Design e Moda”. A publicação reúne entrevistas/depoimentos de nomes como Jum Nakao, irmãos Campana, Alex Atala, Paula Dib e Ana Carmen Longobardi sobre suas experiências como a economia criativa.
links3