Vida de host: o que aprendi sobre a Bélgica com uma belga em minha casa

Em 26.08.2016   Arquivado em Vida de host

belgica2

Nem dá pra acreditar que já faz quase um ano que recebemos a Amira em nossa casa. Foram semanas muito diferentes e gratificantes com ela, conforme já contei no blog (pfvr, leia os posts aqui).

Para dar continuidade aos meus relatos sobre a experiência como host, decidi listar algumas coisas que aprendi sobre a Bélgica, ao receber uma belga aqui em casa. Os motivos:

  • Incentivar você a querer conhecer o país;
  • Trazer curiosidades para essa categoria do blog;
  • Mostrar que, mesmo não tendo condições de viajar, é possível conhecer vários aspectos sobre o mundo sem sair de casa. Não é maravilhoso?

Islamismo em Bruxelas

A família paterna da Amira é marroquina e segue as tradições do islamismo. Nem todos são religiosos, mas a cultura é algo que procuram preservar. Mas isso não é exclusividade da família dela. Praticamente metade de Bruxelas, a capital da Bélgica, é habitada por islâmicos que chegaram predominantemente do Marrocos na metade do século XX para trabalhar no país. Ou seja: a cultura ocidental e as tradições islâmicas se encontram todos os dias lá. Multiculturalismo, aliás, é a palavra-chave.

Férias no exterior

Essa frase soa “chique” no Brasil, mas é muito comum na Bélgica. Como o país é habitado por pessoas de origens diferentes (transporte acessível e distância pequena contam também), muitos nativos preferem passar as férias na França, Alemanha ou outro endereço vizinho que apreciam mais, enquanto nós queremos ir justamente para lá para conhecer as maravilhas do país belga.

Solidão na terceira idade

A expectativa de vida na Europa, dada a crescente qualidade de alimentação e saúde, é cada vez maior. Mesmo com a população vivendo mais, a Amira considera os belgas e vizinhos estrangeiros pouco atenciosos com os idosos. Como o trabalho é muito valorizado, eles não se dedicam tanto a visitar os pais e avós, que geralmente moram sozinhos.

Currículo trilíngue

Outra curiosidade sobre a Bélgica é que, por ser um centro de negócios europeu, as oportunidades de emprego mais específicas exigem o conhecimento de pelo menos três idiomas: francês, inglês e neerlandês são os mais comumente requisitados.  Nas universidades também são apreciados os acadêmicos que entendem outras línguas, já que nem todas as disciplinas são lecionadas em francês.

A mágica do Sol

Chove MUITO na Bélgica, o que faz com que os habitantes valorizem muito um dia de sol. Mesmo com a correria do dia a dia, você percebe um astral diferente no metrô, na universidade e em outros lugares públicos. A Amira infelizmente veio para Blumenau em uma época de chuva, o que a impediu de conhecer alguns locais turísticos. Mas quando o sol batia na sacada… Ela não contava até 3 para por um shorts, pegar um bronze e tirar muitas fotos da paisagem. “Spécial!”, ela repetia.

Chocolate? Com cerveja!

Quem aprecia uma boa cerveja já deve ter experimentado alguma garrafa com uma das opções belgas. São mais de mil e quinhentos tipos diferentes de cerveja produzidos em território belga, além dos populares chocolates, classificados entre melhores do mundo. Minha irmã belga não consome álcool, mas quanto aos chocolates, não só adora como também nos trouxe alguns. <3

Conclusão: um post só é pouco para contar tudo o que aprendemos sobre a Bélgica! Rs
Foram momentos descontraídos de conversas, presentinhos típicos e muitas experiências que enriqueceram não só o nosso conhecimento, mas também nossa forma de se relacionar com as pessoas.

Na imagem: Rafa (namorado), o serumaninho que vos escreve, Amira (belga) e Julia (prima).

Na imagem: Rafa (namorado), o serumaninho que vos escreve, Amira (belga) e Julia (prima).

Hospedar alguém expande nossas ideias de uma forma incrível! Minha mãe e Amira, por exemplo, compartilharam muitos ensinamentos e aprendizados sem ao menos falar o mesmo idioma.

Se você também aprendeu algumas curiosidades sobre a Bélgica, tem uma impressão diferente sobre algum dos tópicos, ou pensa em hospedar alguém de qualquer lugar do mundo e ter por algumas semanas uma “vida de host”, deixe seu comentário!

Em breve, compartilharei algumas curiosidades que aprendi sobre a Colômbia também. Acompanhe!